FANDOM


Campeão História e Desenvolvimento Estratégia Skins e Curiosidades
SorakaSquare.png Soraka
a Filha das Estrelas
Gênero
Raça
Feminino ♀
Ser Celestial
Residência
Ocupação
Facção
Monte Targon
Curandeira Andarilha
Independente
Aliados

BardoSquare IreliaSquare EmptySquare

Rivais

WarwickSquare KarthusSquare EmptySquare


Soraka Render

Uma era atrás, quando o tempo ainda era jovem, os habitantes do plano celestial observavam as pueris raças de Runeterra com crescente preocupação.

Tais criaturas desviavam-se selvagemente, imprevisivelmente e perigosamente dos grandes projetos pretendidos a elas por aqueles acima. As guias e os destinos que haviam sido tecidos no firmamento umbral frequentemente passavam despercebidos — ou, pior, eram erroneamente interpretados por suas simples mentes mortais, levando-os ao caos, à incerteza e ao sofrimento.

Não mais capaz de simplesmente assistir, uma entidade celestial escolheu por descer ao plano mortal, determinada a desembaraçar os nós da tapeçaria do mundo. Essa criança das estrelas tomou a forma de carne e sangue e, embora a poderosa magia correndo em suas veias queimasse esse corpo de dentro para fora, ela sabia que seu sofrimento pouco significava caso pudesse ajudar a curar tudo o que estava quebrado e incompleto.

Sendo assim, Soraka veio a ser, e iniciou sua jornada para acalentar os mortais que encontrasse.

Mesmo assim, ela rapidamente aprendeu a capacidade para a crueldade que as pessoas de Runeterra possuíam. Seja nos campos de batalha de conflitos inescapáveis, no baixo-ventre fértil das cidades em crescente vastidão, ou nas fronteiras do ermo indomado além delas, parecia não haver fim para o conflito, a traição e o sofrimento que Soraka testemunhava. Ela assistia, desamparada, conforme os mortais ignorantemente quebravam os fios do destino que eles podiam ter tecido juntos. Suas vidas eram curtas demais, pensou ela. Eles eram simplesmente incapazes de ver os padrões maiores, agora perdidos.

Contudo, ao que ela viveu entre eles, como um deles, tentando reparar o pouco dano que ela podia… Algo incrível e totalmente imprevisto aconteceu.

Da aspereza, dos nós e emaranhados, das quebras desordenadas nos grandes padrões, Soraka percebeu uma nova forma, não intencional, emergindo — de enlace e complexidade surpreendentes.

Impensados e selvagens, os mortais estavam forjando futuros novos e desconhecidos para si mesmos. Do plano celestial acima, tudo parecia ser puro caos, mas com sua nova perspectiva e abençoada pelas estrelas a resistir à erosão do tempo, Soraka agora percebia uma quase perfeita beleza. Assim como os mortais tinham a capacidade mais profunda para a crueldade, eles também possuíam um potencial infinito para a bondade e inspiração que desafiava qualquer coisa entre as estrelas.

Soraka percebeu que não cabia a ela reparar ou replicar o padrão celestial. Embora uma parte de si ansiava por consertar, confortando os destinos das estrelas, ela sabia em seu coração que destinos estáticos não continham o potencial desenfreado e dinâmico da mortalidade.

E assim seu trabalho preencheu-se de vigor renovado, motivado a desencadear as possibilidades ilimitadas de tudo que encontrou. Ela agora buscava inspirar e guiar, em vez de conduzir, para ver quais trilhas indomadas cada mortal descobriria por conta própria em seus breves e radiantes momentos.

Ao curso de milênios, lendas da Filha das Estrelas foram passadas pelas terras de Runeterra. Algumas tribos de Freljord ainda falam da viajante que veio de longe, uma curandeira de um único chifre na testa, que confortava a mordida gélida dos invernos mais brutais. Nas profundezas de Zaun, espalham-se rumores de uma médica de pele lilás que consegue purificar pulmões desgastados do ar pútrido do Cinza químico. Na atribulada Ionia, os mais antigos mitos dos Vasthayshai'rei contam de uma vidente que comungava com as próprias estrelas e evocava a luz delas tanto para curar os feridos quanto para abrasar aqueles que continuavam a fazer mal às Primeiras Terras.

Atualmente, Soraka chama de lar os cumes da fronteira ocidental de Targon. Ela cuida de uma tribo isolada de vastayas, ensinando-os como curar e cuidando silenciosamente de suas próprias necessidades — embora só ela saiba o que a traz tão perto da grande montanha ou quanto tempo por lá vai ficar.

Muitas vezes, ela assistiu civilizações inteiras dançarem à beira da destruição e aprendeu que não pode salvar aqueles que não desejam salvação; nem forçá-los a ver o que não verão.

Mesmo assim, Soraka está determinada a nunca parar de tentar.

SorakaSquare

"A crueldade de um não me cegará para o sofrimento de muitos."

O conteúdo da comunidade está disponível sob CC-BY-SA salvo indicação em contrário.